Em entrevista ao Comic Book, o roteirista Derek Kolstad revelou que o estúdio queria manter o cachorro de John Wick vivo no primeiro filme. Segundo ele, o momento estava no roteiro desde o começo, mas os diretores Chad Stahelski e David Leitch tiveram que insistir para manter o trecho, já que o estúdio ficou com medo das possíveis reações do público:

“Acho que eles [o estúdio] queriam fazer algo certo, então em alguns momentos foi dito ‘vamos cortar a coisa do cachorro e focar apenas em um assassino saindo da aposentadoria’, algo assim”.

No entanto, segundo Kolstad, o momento era muito importante para a jornada de John Wick e os diretores conseguiram mantê-lo. “Eles continuaram lutando pelo modo que imaginam suas histórias no mundo. Eles acertaram bastante com esse e são muito talentosos”.

Estrelado novamente por Keanu Reeves, o quarto filme de John Wick foi adiado para 27 de maio 2022 por conta da pandemia do coronavírus. Na trama, o assassino John Wick sai de sua aposentadoria quando o cachorro que ganhou de sua falecida esposa é morto.

O sucesso da franquia nos cinemas gerou alguns projetos derivados como a série The Continental, que focará a cadeia de hotéis que John Wick e outros assassinos usam como refúgio durante suas missões. De acordo com as regras, nenhum “negócio” pode acontecer na área do hotel. Quem violar essa regra enfrenta consequências graves, como ficou claro em John Wick 3: Parabellum.