Apesar do grande sucesso de He-Man nos anos 80, a empresa não tinha a liberdade de escolha, como revelou o animador Tom Cook, que afirmou que redes de televisão não permitiam que houvesse protagonistas negros em seus programas.

Em entrevista ao Scoop, na qual falou sobre sua carreira em produtoras como a Hanna-Barbera e a Filmation, o animador Tom Cook disse que a empresa havia criado uma boa impressão após criar a série animada She-Ra e as Princesas do Poder, ao apresentar uma mulher como protagonista. Apesar de seu sucesso, o estúdio foi repreendido pelas emissoras de TV ao tentar criar uma série animada com um personagem negro como protagonista. Cook explicou:

A Filmation sempre foi assim. Tínhamos o primeiro super-herói indígena. Depois de He-Man, havia um personagem chamado Blackstar, que, originalmente, seria negro, mas as emissoras não nos permitiram criá-lo porque não acreditavam que aquele era o momento certo para isso.”

Cook trabalhou em animações como Os Smurfs, Super-Amigos e no filme dos Jetsons, além de He-Man e She-Ra. Pelo pronunciamento do Tom Cook, vemos que certas ideias consideradas arriscadas, tal como um personagem negro como protagonista, era algo encarado com bastante preconceito na época. Felizmente, o tempo passa e o mundo evolui.