Na noite desta quarta-feira (12), véspera do dia mundial do rock, Curitiba teve o privilégio de receber Richie Kotzen, em sua turnê Salting Earth World Tour 2017 e, na mesma ocasião, ainda contou com o show de The Dead Daisies para abrir a noite com um bom Rock’n’Roll.

O público, apesar de não atingir a capacidade máxima da Ópera de arame, estava animado e já se concentrava na região mais próxima ao palco uma hora antes do início do primeiro show da noite. O famoso anfiteatro curitibano é, sem dúvida, um espetáculo à parte, nem o típico frio curitibano foi o suficiente para afugentar o público devido ao local aberto.

The Dead Daisies inaugurou o palco trazendo para o palco da capital paranaense o que eles fazem de melhor: Rock’n’Roll, puro e sem frescuras. O super elenco da banda, que conta com ex-integrantes de grandes nomes do Rock internacional como Whitesnake, Dio e Ozzy Osbourne não teve nenhuma dificuldade para animar o público iniciando a sua apresentação com hits como Long Way To Go, Mexico e Make Some Noise. O guitarrista solo, Doug Aldrich, esbanjou habilidade nos vários solos ainda mais ‘apimentados’ que os originais gravados no estúdio. Marco Mendoza, baixista da banda, também não perdeu a oportunidade de se divertir um pouco descendo do palco para tocar a última música no meio do público, que se apertava todo o possível para tocar no seu instrumento. O ex-baixista do Whitesnake também divertiu todos com uma série de agradecimentos ao público em bom e sonoro espanhol.

Após uma breve espera para montagem do equipamento do power trio liderado por Richie Kotzen, a principal atração da noite tomou conta do lugar. O trio chegou com tudo, começando com grandes sucessos como Go Faster, Fooled Again e Make It Easy. Apesar de marcado pelos incríveis solos e riffs de guitarra que eram esperados, se tratando do músico considerado como um dos Top 5 guitarristas do mundo, Kotzen também mostrou fluência no piano, no órgão e no violão. Seja com a guitarra ou com o piano em mãos, o cantor não deixou de impressionar todos com a sua técnica vocal, que até sobra em músicas como My Rock e This Is Life. Apesar de em muitos momentos ofuscados pelo talento do multi-instrumentista que ocupava o centro do palco, o baixista Dylan Wilson e o baterista Mike Bennett também tiveram seus momentos de fama com solos espetaculares. Destaque para Wilson no baixo durante a sessão acústica, que trouxe para a Ópera um clima mais leve. Não é novidade para ninguém que Kotzen sabe muito bem liderar um power trio, como também faz na banda The Winery Dogs, mas ainda assim o entrosamento entre os músicos surpreendeu muito.

Por Juliano Koop