Suicide Squad (Esquadrão suicida) chega aos cinemas amanha! Nós já vimos, confira o que achamos logo abaixo. Contem spoiler.

A direção de David Ayer juntou um elenco com personagens não muito conhecidos pelo grande público e outros mais populares na cultura pop, conseguindo apresentar suas origens razoavelmente bem, ficando um tanto repetitivo com os flashbacks.

A narrativa ambiciosa ficou no papel e com muita coisa a desejar quanto a sincronia de cenas e alguns vilões super valorizados nos trailers. Deixando de lado o integrante do esquadrão marcado para ter uma morte evidente logo em sua aparição, os créditos do longa metragem vão para os personagens femininos que dominaram a maioria das cenas, como Viola Davis no papel de Amanda Waller e Margot Robbie encenando Arlequina.
O filme contou com breves aparições de heróis da DC como Batman e Flash e deixou muito a desejar na construção de Jared Leto como Coringa, que aparentava mais um doido apaixonado do que o famoso psicopata com humor sádico e doentio que todos conhecemos.

Os vários elementos trabalhados dentro da obra acabaram deixando o roteiro confuso de inicio, principalmente nas apresentações dos vilões que mais parecia uma seleção de clipes dos anos 90. Houve certo desperdiço de bons personagens tendo um roteiro muito raso para contemplar as raízes dos mesmos.

O investimento na ambientação e caracterização dos personagens foi bem trabalhado no modo geral, fazendo com que o público tivesse empatia pelos vilões. De maneira abrangente, o filme se faz uma boa diversão para sessão da tarde, com aventura e nostalgia para admiradores ou desconhecidos do mundo DC comics.

Quinta-feira nos cinemas!

Por Natasha Lourenço