Um dos maiores e mais conceituais festivais de música eletrônica do Brasil, o Happy Holi realiza sua terceira edição em Curitiba no próximo sábado (10), no Museu Oscar Niemeyer. Com a tradição de colorir o público ao som de muita música eletrônica comandada pelos melhores DJ’s da cena nacional, o festival já se consolidou pelo mundo e vem atraindo cada vez mais pessoas interessadas em conhecer a temática inusitada do evento. Abaixo, listamos uma lista com seis fatos que talvez você não sabia sobre o Happy Holi, para te deixar ainda com mais vontade de conhecer o festival.

1. O Happy Holi nasceu em Portugal

Ora, pois! Foi em 2013 quando a produtora de eventos WeLove Events encontrou inspiração no festival Holi na Índia – conhecido por colorir seus participantes com pó colorido à base de amido num festival de celebração da primavera – para elaborar e dar origem ao festival, uma festa incrível com 8 horas de música, alegria, cores e muita diversão. A primeira edição, realizada na cidade do Porto, foi um sucesso tão grande que pouco mais de duas semanas depois já estava sendo realizado novamente, agora na capital Lisboa.

2. O evento desembarcou pela primeira vez no Brasil em 2014

A primeira edição verde e amarela do festival aconteceu em fevereiro, na cidade de Fortaleza, no Ceará. Foi um sucesso. “O Brasil é cheio de cor e alegria, com uma população jovem bastante interessada na cena eletrônica, o que explica o sucesso do Happy Holi no país”, afirma Silvie Couto, responsável pela comunicação da WeLove Events. Ainda em 2014, foram realizados outros 11 festivais em outras cidades, incluindo Curitiba.

3. A ascensão do Happy Holi no Brasil foi gigantesca

Se em 2014 foram realizados 12 festivais em terras tupiniquins, em 2015 o número mais do que dobrou: foram 30 eventos realizados nas principais cidades do país. Neste ano, inclusive, algumas capitais como São Paulo e Brasília receberam duas edições do Happy Holi, devido ao sucesso e demanda do público. Em Curitiba, a terceira edição promete repetir o sucesso já tradicional do evento.

4. Além de Brasil e Portugal, outros países começam a receber edições do Happy Holi

Com o sucesso dos eventos luso-brasileiros, a WeLove Events já está realizando edições do festival no Paraguai, Argentina e Espanha. Além disso, de acordo com Silvie, a próxima parada do Happy Holi deve ser no continente norte-americano, mais especificamente no Canadá. “O crescimento do festival em outros países é um incentivo a continuarmos a expansão desse projeto para o mundo todo”, ressalta Couto.

5. O pó colorido entregue aos participantes é totalmente atóxico

Chamado de “Zim”, o pó colorido entregue aos participantes do Happy Holi é sem dúvidas a marca registrada do evento. No entanto, se engana quem acha que ele pode fazer mal para a saúde. “O material tem como base o amido de milho, é totalmente atóxico. Além disso, ele sai facilmente com água”, ressalta Silvie. Além dos saquinhos, o Zim também é dispersado no público a cada 45 minutos, durante os chamados “Color Blasts”.

6. O Happy Holi tem classificação etária livre

Outro diferencial do festival é a participação de muitas famílias nos festivais realizados pelo Brasil e pelo mundo. “A organização do evento se preocupa sempre em criar um espaço onde pessoas de todas as idades possam aproveitar o Happy Holi sem ter medo de enfrentar confusões e problemas. Por isso é comum encontrar muitas crianças brincando com o Zim enquanto os pais curtem a música eletrônica”, ressalta Silvie. Além disso, a venda das bebidas alcoólicas acontece apenas para maiores de 18 anos, em um espaço restrito, sem acesso à pista.