Supernatural vem provando que, mesmo depois de onze temporadas, ainda continua com fôlego. E com um ótimo fôlego. A 11ª temporada da série chegou ao seu fim e pode ser considerada a melhor desde a época de ouro da série (Considerando as cinco primeiras temporadas).

[Bate-papo] Hunters comentam sobre origem de Amara, Deus e Metatron

Não bastando ter apresentado uma vilã digna, a Escuridão conhecida com Amara, que se mostrou uma verdadeira ameaça, a série ainda proporcionou outros momentos de tirar o fôlego, feitos especialmente para os fãs, em outras palavras a 11ª temporada de Supernatural foi uma grande “Fan service“. Quem imaginaria que Lúcifer daria as caras novamente? Com uma ajuda de Castiel (que sobrevive).

O grande trunfo da temporada foi a aparição de Deus no 20º Episódio “Chuck´s Farewell Song”. A produção da série sempre viam dando dicas que o Chuck não erra só um profeta, mas o “Todo poderoso”.  E nesse episódio ele se revela de um modo muito simples e ao mesmo tempo magnifico.

Mesmo com os fillers, alguns muitos bons, outros bem fracos, a série manteve um ótimo ritmo ao longo dos episódios, desenvolvendo muito bem a trama da temporada. A evolução foi tão boa, que é estranho pensar no começo da temporada e lembrar de Amara sendo aquela incógnita, ainda no corpo de um bebê, virando uma adolescente de depois uma mulher com seus problemas familiares. O qual Dean mostra a Amara (Escuridão) um novo rumo o caminho do perdão e que família é tudo para o ser humano. Lema da Série. Amara perdoa Chuck. E da um grande presente ao Dean e Sam; falando em Sam está com um grande problema com o homens das letras de Londres, mas isso já é assunto para a décima segunda temporada.

Teremos, sim, uma 12ª temporada de Supernatural e pelo visto, teremos ainda mais. O ideal seria que o final fosse anunciado antes para que houvesse um bom planejamento, mas tudo indica que essa não será a última temporada.