Money Monster

Para os entusiastas de filmes que trazem o mercado financeiro, Jogo do Dinheiro (Money Monster), chega as telonas trazendo um mergulho no complexo e agitado mercado financeiro de Wall Street. Ok, o longa não chega nem de perto a ser tão técnico como A Grande Aposta (The Big Short) , o que temos aqui é um suspense de sequestro com um plano de um fundo de mercado monetário, a diretora Jodie Foster  da um toque sentimental a um tema ´´duro´´, apesar do filme ser bem previsível.

Na trama nos é apresentado Lee Gates (George Clooney), um apresentador de um programa totalmente voltado ao mercado financeiro e bolsa de valores, sua diretora é Paty Finn (Julia Roberts), que tem a função de ser a voz na consciência de Lee durante a narrativa e principal negociadora entre Lee e Kyle Budwell (Jack O´Connell), um simples entregador e acionista de uma empresa que acaba de perder US$: 800 milhões devido a uma suposta ´´pane´´ nos computadores da corporação. Kyle invade o cenário do programa com uma arma empunhada e dois coletes cheios de explosivos.

Apesar da narrativa muito simples e de um final regular e muito previsível, Jogo do Dinheiro chama a atenção pela evolução e tomadas de decisão dos principais personagens. Um fator que da muito dinamismo ao filme é a edição, a montagem é feita de modo muito inteligente, tento tomadas de ângulos de noticiários americanos, cortes rápidos e um ritmo acelerado, esse montante resulta em um tipo de interatividade com o público. As atuações são boas, mas não se podia esperar o contrário de um elenco que conta com George Clooney e Julia Roberts, mas a ênfase vai para Jack O´Connell, de quem menos se esperava, pode-se observar a maior entrega as cenas do filme.

Um filme longe de se perfeito, mas com alguns tópicos interessantes, esse é Jogo do Dinheiro (Money Monster), algumas camadas intrínsecas no longa chamam a atenção para o público mais atencioso que irá assisti-lo e um entretenimento divertido levam o filme a uma nota razoável.