Eu nunca havia assistido uma série australiana. Por curiosidade acabei adicionado Glitch a minha lista da Netflix para ver outro dia, esse outro dia chegou comecei o primeiro episódio e quando vi já tinha visto tudo.

Eu sempre gostei de assistir produções que não fossem da America para poder comprar com as produções americanas (outro dia escrevo sobre isso), inclusive já fiz alguns trabalhos sobre o cinema alemão, francês e outros, e as diferenças entre as culturas vista pelo ponto de vista de um filme ou série são bem legais de acompanhar.

Desta vez acompanhei a australiana Glitch, que tem lá na Netflix, uma série que narra em seis episódios a história de pessoas que misteriosamente voltaram a vida (não são zumbis) depois de já estarem enterradas por um longo período de tempo. Logo de cara me lembrei de The Returned, que mesmo tento a mesma temática, é bem diferente. Mas já no segundo episódio me senti assistindo Under The Dome.

Eu gosto bastante de séries que tem o clima de Under The Dome, muito mistério e história que segura você o tempo todo.

Na Austrália, a série passou no BBC1 em 2015 e apesar de conquistar uma boa audiência por lá, não foi considerada realmente boa para renovação. Só depois da BBC1 disponibilizar a série em serviço ondemand que Glitch decolou em questão de números comparada a TV. E a Netflix que não é boba nem nada logo viu o sucesso que foi na internet e comprou os direitos para a segunda temporada da séria que já foi confirmada.

A Série

James Hayes (Patrick Brammall) é um policial de cidade pequena. Ele é chamado ao cemitério local no meio da noite, depois que seis pessoas inexplicavelmente ressuscitaram dos mortos em perfeita saúde. Sem memória de suas identidades, eles estão determinados a descobrir quem são e o que aconteceu com eles. James e um deles se reconhecem, e junto com a médica local Elishia McKellar (Genevieve O’Reilly), James luta para manter o caso escondido de seus colegas, sua família e do mundo. As seis pessoas estão todas ligadas de alguma forma, agora eles tem que descobrir se alguém sabe a verdade sobre e por que eles voltaram.

glitch1

Pontos positivos

[Pequenos spoilers abaixo] Eu particularmente gostei muito da premissa apresentada, e como escrevi mais acima, gosto muito de séries que são ambientadas em pequenas cidades e envolvem um mistério de ‘outro mundo’. O tema tratado na trama não é algo inédito, mas consegue entreter de forma que não decepciona. Acho que o mistério sobre o porque da volta das pessoas é o que mais faz prender a atenção de quem vê.

Outra coisa que deixa muito curioso quem assiste é o passado de quem voltou, os personagens ali tem algo em comum, mas o que? E além disso eles voltaram de tempos diferentes, como por exemplo o personagem interpretado pelo Sean Keenan é um soldado da primeira guera mundial, o que faz você pensar muito sobre o motivo dele ter voltado; já a personagem interpretada por Emma Booth voltou da morte dois anos após o acontecido (considerando que a série se passa em 2015).

Glitch é daquelas séries que faz você passar raiva por ter tanto mistério. E isso faz dela uma boa série.

Pontos negativos

Creio eu que os produtores arriscaram muito em relação ao roteiro, a produção só tinha garantia para uma temporada e mesmo sabendo disso fizeram um roteiro muito arrastado, quero dizer, a série tem 6 episódio de mais ou menos 40-46 minutos cada, não são muitos episódios, mas já da pra contar uma boa história, mas se acabasse no episódio 6 teria sido um tiro no escuro com 99% de chance de não acertar.

Alguns episódios enrolaram muito em coisas que não precisavam e não iria fazer falta se fosse cortado, os acontecimentos são bem demorados e poderiam ser resolvidos em uma cena, por exemplo. Se a série tivesse só uma temporada, teria sido uma boa história apresentada numa produção mal conduzida.

Outra coisa que não gostei muito ali foram as histórias [não contadas] dos personagens que voltaram, quase não foi dado atenção ao passado deles tendo somente flashbacks rápidos de cada um, e em todos esses flashbacks não conseguimos conhecer ninguém de verdade, eles só trouxeram mais perguntas a trama. O passado de cada um poderia ter tido mais atenção (claro que com moderação, para ai sim deixar ?? para a segunda temporada, e não ???? como ficou), como disse, os roteiristas focaram em coisas que não precisavam. Mas não vamos reclamar muito, tudo isso será esclarecido na segunda temporada.

Os personagens

O personagens são consideravelmente bons, só não são muito bons por causa de alguns serem extremamente chatos (Tipo o Wes), sabe aquele tipo de personagem que parece que está ali só pra atrapalhar, tira motivos do nada para brigar ou causar algo que prejudique os demais? Em alguns casos é sim bom ter alguém que faça este papel se o tal realmente tiver uma função no grupo, mas em outros é só para encher linguiça e se não aparecesse não ia mudar nada. Pra vocês tirarem conclusões próprias vou dizer de quem gostei e não ao contrario, um deles é Charlie Thompson (por Sean Keenan) que além do ator estar ótimo interpretando o personagem tem carisma e conquista, a outra é Sara Hayes (por Emily Barclay) que apesar de ser secundaria, tem um papel importante na trama.

Pelo fato de ter uma segunda temporada a caminho, recomento assistir! Glitch está disponível na Netflix.

Por: Papo de Cinema