Amy Schumer é um dos grandes nomes da comédia mundial, seus trabalhos em tv e cinema já lhe renderam indicações ao Emmy e Globo de Ouro, sua biografia ficou no topo da lista de mais vendidos do New York Times e, considerando sua carreira ainda em alta, ela cada vez mais avança em Hollywood.

Seu humor é um pouco diferenciado, fora dos padrões de beleza da indústria dos filmes e moda, ela usa de seus atributos físicos como combustível para piadas sem fazer com que pareça depreciativo, ela também gosta de deixar bem claro a forma como a vida lhe trata e como ela olha a vida, não existem tabus na hora de falar de sexo, relacionamentos ou beleza.

Características fundamentais para que seu novo longa, Sexy por Acidente, consiga atingir o seu objetivo.

Sexy por Acidente não é o primeiro (e com certeza não será o último) filme a falar de beleza interior através de analogias. Na trama, Renee Bennett (Amy Schumer) sofre por não aceitar seu corpo e luta para se aceitar e mudar. Em uma dessas tentativas de mudança ela passa por um trauma que faz com que ela se veja como ela deseja ser vista. A mudança lhe dá confiança para buscar seus sonhos, conversar com pessoas e se desafiar em diversos sentidos.

O filme marca a estreia da dupla Abby Kohn e Marc Silverstein como diretores, a dupla também assina o roteiro da produção, ramo no qual eles não são novatos (Idas e Vindas do Amor, Nunca Fui Beijada, Ele Não Está Tão a Fim de Você).

Pela distinção de seus currículos em cada uma das áreas, é notável suas vantagens e desvantagens. Seus roteiros são responsáveis por personagens carismáticos e até correm o risco de criar situações emblemáticas, mas na direção eles falham em transpor o que o bom texto poderia fazer.

Como um todo, a produção extrair o melhor de seu elenco, principalmente da protagonista vivida por Amy Schumer. Os textos são a cara da atriz e comediante, o formato como as coisas acontecem foram escritos pensando nela, funcionam como se fosse um de seus shows e contam uma história usando as suas capacidades.

Ainda assim, esse sentimento de “um show de comédia”, atrapalha a produção e enaltece a fraqueza de seus diretores. Os elementos da trama não se conectam bem e acabam se apresentando como soluções fracas na execução, se sustentando no humor da protagonista para fazer com que, apesar de sem sentido ou fraca, as ideias funcionem.

Em suma, Sexy por Acidente ousa em uma temática desgastada e falha em trazer novidades e contando com uma direção, que deixa clara a sua inexperiência, trabalha em cima do potencial que lhe resta, uma boa protagonista e seu humor.

Sexy por Acidente chega aos cinemas nessa quinta-feira dia 28.