Hoje em dia grande parte das produções para o cinema possuem efeitos visuais, alguns mais sutis e outros presentes em quase 100% da produção. Você já deve ter reparado nos créditos de alguns filmes a frase ‘Equipe de VFX’, ou algo parecido, em Hollywood -principalmente- há grandes empresas que só trabalham com isso, prestando serviço para produções que precisam de grandes efeitos em seus filmes.

Apesar de ser comum o uso de efeitos nas produções cinematográficas existem diferentes tipos deles, e MUITA gente acha que é a mesma coisa, mas não. Além disso para se trabalhar com esses efeitos é necessário um orçamento muito grande por parte da produção/estúdio e nem todo mundo pode aplicar grandes efeitos em seus filmes e acaba usando efeito prático, o que não é ruim se usado corretamente.

Abaixo você confere e fica sabendo pra que serve e como é utilizado o VFX, SFX e CGI.

Significa: Computer-Generated Imagery ou ‘imagens geradas pelo computador’ é qualquer imagem dentro de um filme que não foi gravada pela câmera, mas desenhada e posicionada na cena pelo computador. Há incontáveis filmes e jogos, onde o personagem é criado por um rascunho no programa e passa por diversas etapas até o produto final.

SFX

Special Effects são os conhecidos efeitos especiais, porém, diferente do CGI, os efeitos especiais não são feitos pelo computador, mas contam como qualquer efeito utilizado durante a gravação. Isso inclui maquiagem, luz, explosões de verdade, canhões de ar, entre outros efeitos práticos, o que pode soar um tanto ultrapassado, mas os resultados podem ser surpreendentes. Um bom exemplo é uma das mais famosas cenas do filme Inception, também conhecido como A Origem no Brasil, onde os dois personagens estão conversando em uma cafeteria e, quando um deles percebeu que estava em um sonho, os elementos na cena começam a explodir, e isso não foi feito através da computação gráfica, mais sim através de canhões de ar estrategicamente posicionados e gravados em slow motion!

VFX

VFX é o artifício no qual um profissional ou um artista VFX reúne os elementos gravados no filme, juntamente com o SFX e, em seguida, passa o material por um processo complexo para adaptar a gravação em um ambiente virtual, e depois transferir o elemento feito pelo computador (CGI) para renderizar e adaptar o máximo possível cada elemento através de técnicas sofisticadas, deixando a cena com os efeitos o mais real possível, ao ponto dos espectadores não serem capaz de diferenciar o que é real e o que não é, possibilitando a imersão dos espectadores e fazer de uma cena fictícia um dos momentos mais memoráveis da história.

A maioria dos efeitos acaba passando despercebido na telona, na forma de cidades, objetos, veículos, partículas, entre muitos outros. E enquanto os efeitos práticos, muitas vezes, roubam a cena, o CGI é um recurso adicional para produções maiores ou mais complexas, como por exemplo Vingadores e Jogador N°1.

Confira mais um vídeo abaixo como um bom exemplo de VFX:

Agora que você já sabe a diferença e pra que serve cada um, pare de dizer que todo filme esta com “CGI ruim”.